Mensagem do Pároco – 23/12/2020

Olá queridos amigos,

Continuando a reflexão sobre os livros sapienciais, hoje falaremos sobre o Livro do Eclesiástico.

Em hebraico é chamado: Palavra ou Sabedoria do filho de Sirac; grego chama de Sabedoria de Jesus, filho de Sirac ou Sabedoria de Sirac; os Cristãos de origem latina chamam de Eclesiasticus, pois o livro era apresentado aos catecúmenos preparando-se para o batismo, era um manual de iniciação dos bons costumes e à história do Antigo Testamento; era o livro da Ecclesia (Igreja); daí dizer-se “Eclesiástico”.

Revela o pensamento Israelita evoluído. Alguns temas: Bom comportamento: temor de Deus, amizade, os anciãos, as mulheres, a riqueza, a pobreza, a doença, a medicina, os deveres de estado. Outro tema mais teológico que é o Saber: a gloria de Deus.

O ponto mais alto do livro, como em provérbios e outros, é a sabedoria personificada, mas agora é uma pessoa mais unida a Deus e distinta, o que de certo modo antecipa a realidade de João. Chama atenção também a realidade da identificação com a Torá (Lei).

Em Eclesiástico o autor assina o livro, chama-se segundo o LXX (Eclo 50,27(29) “Jesus, filho de Sirac, filho de Eleazar, de Jerusalém”. Sirac deve ter sido um sábio pertencente ao grupo dos sábios de Jerusalém. Ele mesmo apresenta uma peça notável sobre a sabedoria em si mesmo Eclo 51,13-30.

Siracides desde Jovem estudou muito o antigo testamento, ouviu outros sábios, meditou em questões fundamentais da vida humana, viajou em terras estrangeiras consultando assim novas fontes de saber, fundou a “Casa ou Escola da Sabedoria” em Jerusalém. Ele era consciente da sua função de mestre por isso ele assinou o livro que ele fez. 50,27, isto não era costume do antigo testamento.

É um livro muito parecido com o Provérbios mais de uma disposição mais arrumada.

 

Um grande abraço a todos, e que Deus os abençoe.

Pe. Leocádio José Zytkowsky

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
X