Artigos › 09/04/2018

Imprimir

Tempo de dúvidas

Somos testemunhas atuais da realidade dos novos tempos. As marcas podem ser entendidas como “sinais dos tempos”, mudança de época e avanço para o futuro. Não conseguimos enxergar o que vem por aí, mas a esperança deve nos convencer de que Deus acompanha a história. Em meio a crises e ignorância da cultura moderna, um mundo melhor e promissor certamente está por vir.

As dúvidas são importantes, porque provocam busca de maiores esclarecimentos. No tempo de Jesus, muitas pessoas tinham dúvidas sobre Ele. Até os apóstolos, seus seguidores mais próximos, viviam numa grande crise. Em certo momento foram infieis e O negaram diante do povo. Parece com as crises do momento, com as inseguranças, dúvidas e medo, que atingem a todas as pessoas.

A infidelidade à Aliança proposta por Deus a Abraão, e realizada plenamente em Jesus Cristo, continua acontecendo. As desconstruções da pessoa humana abafam as riquezas da vida divina nas realidades concretas. As consequências são quase normalmente marcadas por insegurança e sofrimento. Mas não é esse o caminho que proporciona realização e conforto para a vida humana.

Diante das incertezas, o ser humano se desestabiliza, se angustia e se perde nas dúvidas. Nesse contexto as pessoas ficam intolerantes, muito preconceituosas e perdem a capacidade de se autorealizar. Mais ainda em ano eleitoral, porque as dúvidas e incertezas se avolumam tomam conta do nosso imaginário. Ficamos incapacitados para emitir uma decisão com responsabilidade.

Existem dúvidas sobre a fé. Sua base tem fundamentação bíblica e está relacionada com a aliança que Deus fez com o seu povo. O conhecimento da Sagrada Escritura nos leva a amar o Senhor e aos irmãos dentro de uma dimensão de fé. Deus se faz presente na vida das pessoas, principalmente no momento da Celebração Eucarística, fortalecendo-as na prática de fé.

O encontro pascal com Jesus Cristo é revelador de certezas sadias e reconfortantes. Sua Palavra ocasiona confiança e exige fidelidade ao que é proposto como condição para uma vida alegre e feliz. Quem a observa com atenção faz brilhar, no seu entorno, o verdadeiro amor pelo mundo e consegue superar as crises de dúvidas que marcam a vida das pessoas da nova cultura.

Por Dom Paulo Mendes Peixoto – Arcebispo de Uberaba (MG)